Reia, vista pela sonda Cassini, indo de encontro a Saturno e os anéis do planeta.

Reia, uma lua de Saturno com 1.500 km de diâmetro e composta basicamente de rocha e gelo, tem uma atmosfera tênue que é composta por 70% de oxigênio e 30% de gás carbônico, dois gases que, na Terra, são essenciais para as formas mais complexas de vida. A descoberta, feita pela sonda Cassini, da Nasa, é descrita na edição desta semana da revista Science.

Embora o oxigênio existente hoje na atmosfera da Terra seja produto da atividade de seres vivos que fazem fotossíntese, esse dificilmente será o caso em Reia, explica o principal autor do artigo que analisa os dados da Cassini, Ben Teolis.

“A atmosfera de Reia é muito fina, e a lua não tem um campo magnético próprio”, explica. “Sua superfície está totalmente desprotegida dos íons e elétrons aprisionados no campo magnético de Saturno”. O constante bombardeio de partículas sobre o gelo da superfície causa reações que formam o oxigênio, que então ou fica preso no gelo sólido ou é ejetado para atmosfera.

“O bombardeio é suficiente para criar e sustentar a atmosfera”, diz o cientista, que considera muito improvável a existência de vida em Reia, por conta das baixas temperaturas – segunda Nasa, o clima na Lua oscila de -174º C a -220º C – e da ausência de água no estado líquido.

Mas Teolis lembra que a descoberta de oxigênio na atmosfera da lua se segue à detecção de sinais da mesma substância em várias luas do planeta Júpiter, incluindo Europa, onde cientistas acreditam que existe um oceano sob a crosta de gelo.

“Isso sugere que a formação de oxigênio em corpos gelados submetidos a radiação pode ser muito comum no Universo, e pode existir o potencial para química orgânica complexa movida a oxigênio dentro de objetos como Europa ou Encélado, no nosso próprio Sistema Solar, e em outras luas pelo Universo”, especula o pesquisador. Encélado é uma lua de Saturno que apresenta sinais de água sob a superfície. “Esse tipo de química pode ser considerado um pré-requisito para a vida”.

A presença de CO2 na atmosfera da lua é um mistério maior que o oxigênio, afirma Teolis. Uma possibilidade é que Reia não  seja uma bola sólida de rocha e gelo, como se imagina, mas contenha algum líquido em seu interior, onde reações geradoras de gás carbônico poderiam ter ocorrido ou ainda estar ocorrendo.

“Qualquer espécie de reação do tipo que esteja acontecendo hoje é, na melhor das hipóteses, mínima”, acredita, acrescentando que a lua mostra sinais de intensa atividade geológica, mas ocorrida em eras passadas.

Se um dia astronautas da Terra forem visitar a lua em busca da solução para o enigma do CO2, a atmosfera de oxigênio não tornará os trajes espaciais desnecessários. “A densidade de oxigênio máxima em Reia é de 10 trilhões de moléculas por metro cúbico”, diz Teolis. Na Terra, esse número é 5 trilhões  de vezes maior.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,sonda-detecta-atmosfera-de-oxigenio-e-co2-em-lua-de-saturno,645221,0.htm

Anúncios